Menu

Cria em tempos de seca: O que podemos aprender com o exemplo da Fazenda Santa Encarnação?

Por em 17 de agosto de 2021

Este ano o Brasil tem vivido uma seca histórica, com impactos profundos na produção agropecuária. Para os produtores do Centro-Sul do país os desafios são ainda maiores, principalmente porque as expectativas para os meses restantes não são tão animadoras. Contudo, pecuaristas têm buscado alternativas para driblar os percalços e seguir com a produção.

Apesar da sequência de geadas incomuns que acometeram as pastagens do Centro-Oeste, a produção de bezerros na Fazenda Santa Encarnação, em Mato Grosso do Sul,  segue dentro de boas expectativas. Quem nos relata é Tiago Arriero Rodrigues, gerente que atua na propriedade desde 2011. 

Integrante do Grupo Perez, a Fazenda Santa Encarnação é a única propriedade voltada para pecuária de corte, especificamente para a atividade de cria. Os bezerros produzidos, como explica Tiago, são vendidos ao desmame, com 8 meses de idade aproximadamente. Diante do cenário climático atual, a fazenda é exemplo de como enfrentar momentos difíceis na produção e ainda assim mantê-la dentro do esperado. 

Em termos de produção de bezerros a expectativa é boa. Contudo, Tiago enxerga uma dificuldade na reconcepção das matrizes, uma vez que a condição corporal desses animais foi prejudicada com a seca e está baixa em relação à última estação de monta. Para amenizar o problema, a fazenda tem trabalhado com um programa de suplementação nunca realizado antes, além de uma série de estratégias para corrigir essa deficiência e evitar prejuízos. 

“O foco é fazer a vaca emprenhar o mais rápido possível, por isso nossa estratégia tem sido suplementar com proteico. A dificuldade é maior, mas ela precisa manter o intervalo de partos o mais curto possível. Nosso custo de produção está mais elevado, claro, mas ainda assim segue dentro do planejado.”

Produção de bezerros em contexto crítico: quais decisões tomar? 

Anualmente, a fazenda Santa Encarnação produz cerca de 2 mil bezerros, entre machos e fêmeas. O rebanho médio é de 4,7 mil animais, sendo 2,6 mil entre vacas e novilhas. Neste mês de agosto, o trabalho tem sido intenso com os manejos de maternidade. No mês de novembro, a atenção estará voltada para a IATF na estação de monta

De fato é uma produção grande, a qual não seria possível sem o velho e bom “feijão com arroz bem feito”, como afirma Tiago. Ele usa essa expressão para definir o que todo pecuarista deve fazer em suas fazendas, independentemente do tamanho do rebanho e da propriedade: planejamento

“Tem muitas fazendas que não fazem o básico bem feito. Não é preciso ‘enfeitar’ muito as coisas, mas é necessário ter um controle, tem que medir, ter alguns padrões, alguns parâmetros, saber o que os animais ganham em peso ou o que deixam de ganhar. Ao final da estação de monta, por exemplo, eu preciso saber quantas vacas prenhes eu tenho, quantas vacas vazias eu tenho… Em cria, isso é indispensável.”

Planejamento da cria

Em resumo é isso: planejamento. Essa é a principal prática e a melhor decisão a ser tomada, especialmente em contextos críticos como o que vivemos hoje. Tiago chama de “planejamento anual muito forte” o que toda a equipe da Santa Encarnação faz. Ele exemplifica esse grande plano em quatro grandes momentos: 

  • Nascimento – que vai de agosto a início de dezembro;
  • Reprodução – etapa da estação de monta que inicia em novembro e se estende até fevereiro;
  • Desmame – momento de colher os “frutos” do ano de trabalho: os bezerros para comercialização; 
  • Recria – etapa que já emenda no desmame e é onde inicia os cuidados com os animais que vão se tornar futuras matrizes. 

Todo o direcionamento operacional da fazenda está voltado para essas quatro etapas, as quais não acontecem de forma independente e fixa, mas sim de forma simultânea, o que reforça ainda mais a importância de um planejamento correto e uma gestão bem aplicada. 

Na prática, esse planejamento vai te ajudar a responder perguntas como: Quantas matrizes vão ser submetidas à reprodução? Quais são as metas de ganho de peso? E as estratégias de suplementação para a seca? Em quais períodos e datas realizar manejos de pesagem e vermifugação? 

Para elaborar esse plano de cria, executá-lo e corrigir o que for  necessário a tempo, existe uma ferramenta chamada Ciclo PDCA, a qual você pode conferir o funcionamento neste artigo

Acompanhamento e controle da cria

Você fez o planejamento? Lembre-se que é necessário conferir periodicamente a sua execução, verificar se os resultados estão saindo como o planejado e medir diferentes indicadores. 

Tiago explica que na Fazenda Santa Encarnação, as equipes trabalham de acordo com metas estabelecidas no planejamento. Mensalmente, todo o trabalho é analisado a fim de conferir sua evolução e se está de acordo com as previsões do negócio. 

“Vamos acompanhando o rebanho, para ver, por exemplo, quantos animais estão no planejamento para cumprir os protocolos de IATF, verificamos lote a lote se está faltando algum animal, se erramos em condição corporal e se as vacas estão alcançando o peso que planejamos. Caso esteja fora do previsto, restabelecemos um novo cenário para correção.”

Quando se trata de cria, além da supervisão do ganho de peso, GMD, suplementação, é necessário medir alguns índices zootécnicos, como: 

  • Taxa de prenhez;
  • Taxa de desmame;
  • Peso ao desmame;
  • Período de serviço e intervalo de partos;
  • Custo do bezerro. 

Tratam-se de indicadores estratégicos que vão contribuir com o acompanhamento do seu planejamento. Fazer essa medição é fundamental para saber como o seu negócio está financeiramente, conhecer o custo de produção, a margem de lucro, dentre outros aspectos. 

Neste artigo, ensinamos como realizar o cálculo do custo do bezerro. 

Não basta planejar, é preciso registrar!

Uma das decisões mais importantes tomadas na Fazenda Santa Encarnação foi a adoção de um sistema de gestão pecuária que possibilitasse um gerenciamento mais completo de todo o rebanho. Hoje, Tiago Arriero e sua equipe utilizam o iRancho, onde todas as informações são registradas para fins de controle, conferências, comparativos e análises. 

“Todos os manejos são realizados com a utilização do iRancho, as alterações de piquetes, agrupamentos em lotes, inventário e controle de animais. Estamos com o sistema há uns dois anos, é uma ferramenta que ajuda bastante e tem evoluído com novas funcionalidades.”

Antes da utilização de software para a gestão da fazenda, Tiago e toda equipe realizavam os controles via planilhas, uma alternativa melhor que o papel e ainda muito presente nas fazendas brasileiras, mas que traz uma margem de erro nos dados, retrabalhos e uma dificuldade em consultar e comparar o histórico e as informações do negócio. 

“Ao longo do tempo, você acaba acumulando muita informação, muitos arquivos, se confunde nas versões desses arquivos a cada safra… O software ajuda muito nesse sentido, pois tudo está dentro dele. Isso nos garante mais segurança e confiabilidade de dados, é um diferencial”, aponta Tiago.

E como o iRancho pode te ajudar?

O iRancho se constitui no mercado como um sistema de gestão pecuária completo e de fácil usabilidade. Nossos clientes também contam com o App do Peão, que permite registros eficientes e controle de animais direto na tela do celular. 

Com o computador, seja no curral ou no escritório, online ou offline, o pecuarista consegue personalizar todos os manejos da fazenda, realizar o controle completo do rebanho e administrar todas as áreas abaixo: 

  • Insumos e estoque;
  • Sanidade;
  • Financeiro;
  • Maquinário;
  • Reprodução;
  • Sisbov;
  • Relatórios operacionais, e muito mais. 

Com o iRancho, você tem de forma fácil informações fundamentais para a prosperidade do negócio: custo por animal, todo o histórico da fazenda (nenhum animal é excluído do sistema, apenas inativado), te auxilia no planejamento e realização da estação de monta e outras demandas de cria. 

É, sem dúvidas, um grande parceiro na lida. Acesse nosso site e confira mais informações sobre o sistema. Quem utiliza, como o Tiago Arriero, garante: é um sistema que veio para transformar a gestão das fazendas. 

Pecuarista de Sucesso

Estamos chegando ao fim do capítulo sobre a fase de cria, com as dicas de um Pecuarista de Sucesso. Mas a jornada de conhecimento continua. Nosso próximo assunto é a Estação de Monta, com muitas lições de gestão e manejo. E caso você tenha perdido alguma lição, abaixo os dois últimos temas.

Vacas Prenhas: cuidados para uma boa safra de bezerros

Como calcular o custo do bezerro e ter lucro na cria, recria ou terminação?

SOBRE O AUTOR

Preencha o formulário e garanta seu teste grátis

Av. 136, 638 - 3 andar - St. Marista, Goiânia - GO, 74180-040

(62) 3414-7361
(62) 98139-3868
© iRancho - Sistema de Gestão Pecuária de Corte. CNPJ: 26.542.466/0001-02
Open chat