Menu

Como reduzir o custo com nutrição na pecuária de corte

Por em 15 de abril de 2021

O período seco vai chegando e começa a preocupação dos pecuaristas com o custo da nutrição animal. Afinal, para ter animais bem nutridos, crescendo e com bons índices produtivos é preciso investimento. Mas, acima de tudo, planejamento.

A falta de planejamento nutricional ou a má condução desta fase aumenta os custos e ainda reduz o desempenho do animal, gerando prejuízos nas duas pontas.

custo nutrição

Saiba como reduzir esse risco a zero seguindo essas 5 dicas:

1. Entenda o momento

Durante a transição do período das águas para o seco, o pasto perde produtividade e qualidade em virtude da redução do calor, luz e volume de chuvas. Já no período seco, o valor nutritivo do capim reduz para teores de proteína bruta (PB) abaixo de 7%. Portanto, há um déficit de nitrogênio para a atividade do rúmen. Além disso, os teores de fibra sobem e a digestão diminui, o que resulta em baixo desempenho animal. 

Diante disso, nesse período é preciso então adotar uma boa estratégia de suplementação para fornecer minerais e bons teores de proteína. Mas, primeiro, entenda os teores dos nutrientes presentes no capim para ser mais assertivo na escolha do suplemento. A composição nutricional do capim é obtida por meio da análise bromatológica, feita em laboratório.

2. Defina metas

Com base na situação da fazenda, defina o que deseja alcançar. É preciso saber antes qual o ganho médio diário (GMD) você precisa, peso ao abate ou quantidade de arrobas a obter.  Dessa forma, você alinha as estratégias nutricionais com o resultado pretendido e necessário para ter lucro.

3. Conheça seu rebanho

Os animais precisam de água (quantidade e qualidade), energia, aminoácidos, minerais e vitaminas. Contudo, a sua exigência de nutrição se altera em função da idade, grupo genético, gênero, temperatura da região, estado fisiológico e nível de produção.

Por isso, é preciso conhecer os animais da fazenda para elaborar dietas adequadas a cada categoria, e assim, atender as metas de ganho de peso e/ou reprodução.

Além disso, é preciso realizar a pesagem dos animais. Os dados de peso corporal vão ajudar a balancear a ração, a ajustar o consumo de matéria seca e a definir metas.

4. Conheça o ambiente

Outro ponto relevante é conhecer a estrutura da fazenda: cochos, bebedouros, local para armazenar os alimentos, oferta de água, entre outros. Estes fatores irão interferir na escolha dos alimentos.

5. Escolha com base em dados

Conhecer o custo da nutrição é um ponto relevante. Contudo, nem sempre o alimento mais barato é o melhor. É preciso ponderar entre o benefício técnico e financeiro da dieta. 

Por isso, conheça os alimentos para fornecer aqueles que atendam o momento da sua fazenda, as características do seu rebanho e as metas que deseja atingir, dentro de um custo viável, visando maior lucro.

Procure também saber a composição nutricional dos alimentos. Fique atento às características de cada um e aos níveis de inclusão. Assim, na hora de balancear as rações, o profissional saberá qual alimento usar e a quantidade a ser incluída.

Gestão da fazenda

Em resumo: para reduzir o custo da nutrição e tudo correr bem, entenda que é preciso ter anotações da fazenda e conhecer os índices zootécnicos. Não existe planejamento sem dados. O software de gestão como o iRancho é um grande aliado neste trabalho: capta dados, gera informações e ajuda a tomar a melhor decisão.

Veja também:

Critérios para escolha da suplementação na recria

SOBRE O AUTOR

Preencha o formulário e garanta seu teste grátis

Av. 136, 638 - 3 andar - St. Marista, Goiânia - GO, 74180-040

(62) 3414-7361
(62) 98139-3868
© iRancho - Sistema de Gestão Pecuária de Corte. CNPJ: 26.542.466/0001-02
Open chat